A HISTÓRIA DE UM REI - PRIMEIRA PARTE

O NASCIMENTO



Roberto Carlos Braga nasceu no dia 19 de abril de 1941, às 5 horas da manhã, pesando 2,250 Kg, medindo 42 cm, em sua casa, à Praça Dr. Luiz Tinoco nº 33, em Cachoeiro do Itapemirim, Estado do Espírito Santo. Foi o quarto filho (o caçula) de Robertino Braga, relojoeiro e Laura Moreira Braga, costureira. Seus irmãos são Lauro Roberto Braga, Norma Braga e Carlos Alberto Braga.


O MENINO ZUNGUINHA
No bairro em que residia a família Braga, todos adoravam o “Zunguinha”, o apelido do Rei na infância, principalmente as meninas das redondezas que tinham por ele verdadeiro fascínio. Era o “pão” das garotinhas. Seu pai desejava ardentemente que Roberto fosse médico, desejo que era compartilhado com D. Laura, sua mãe.

CACHOEIRO DO ITAPEMIRIM


Situada no Espírito Santo, estado no sudeste do Brasil, a cidade recebeu este nome por causa do rio que corta a cidade. Além de ser a “terrinha” do Rei, é uma linda cidade de povo hospitaleiro, com lindas paisagens, Cachoeiro do Itapemirim é um convite para quem curte a natureza.











Essa era a Casa onde o rei nasceu

NA ESCOLA

Roberto Carlos aprendeu a ler e a escrever no Grupo Escolar Graça Guárdi, indo depois para o Colégio Cristo Rei, onde já demonstrava sua religiosidade sendo um freqüentador assíduo da capela do colégio, além de todos os domingos ir à Igreja de São Pedro.

A capela do Ginásio onde Roberto estudava tinha um frequentador assíduo. Sempre na hora do recreio, Roberto dedicava um pouco do seu tempo às orações.

Na Escola Muniz Freire, o forte de Roberto era o português (uma virtude natural de todo poeta). Mas quando o assunto era matemática, não fazia muito o seu gênero. Mas mesmo assim, passou no 3º ano como 2º lugar da classe e no 4º ano em 1º lugar.
AS BRINCADEIRAS DE CRIANÇA

Um de seus amigos de infância chamava-se Edson José Ribeiro, o Edinho, com quem partilhava as brincadeiras de barquinho (segundo Edinho, Roberto fazia os barquinhos de madeira como ninguém), de rolar pneu e de pegar garupa na carroceria de caminhão. Seus colegas de infância, afirmam que, desde menino, Roberto Carlos já demonstrava toda sua liderança entre os colegas. Outra característica vinda desde a infância, era sua paixão por automóveis. Roberto e Edinho passavam horas e horas brincando de motorista nos restos de um trator que ficava numa oficina do bairro.

TALENTO PRECOCE


Lá mesmo em Cachoeiro, cidade que o venera de maneira extraordinária, Roberto Carlos começou a mostrar seus pendores artísticos. Ainda de calças curtas, começou a participar de programas de auditório na Radio Cachoeiro (ZYL-9), onde conheceu o Sr. José Nogueira, que integrava o regional (A orquestra de acompanhamento de calouros).Roberto chamou a atenção de José Nogueira por ter ganho o concurso de calouros 3 vezes consecutivas e assim iniciou com ele uma amizade que rendeu a Roberto Carlos os conhecimentos básicos de violão. Naquela época, Roberto era muito aplaudido cantando tangos argentinos como “mano a mano”, canções mexicanas e até mesmo célebres canções italianas, como “Strada del Bosco”. Parecia até que seria uma premonição de sua notável vitória no Festival de San Remo, na Itália, muitos anos depois.

PRÓXIMA ATUALIZAÇÃO - CAPÍTULO DOIS (20/07/2008)

3 comentários:

Ocenilda disse...

Parabéns, amigo Tadeu, por essa linda e completa biografia dos primeiros passos do Rei de Cachoeiro do Itapemirim para o Mundo. Além de sucinta, muito completa, narrada de uma forma cheia de talento e humor.
Um grande abraço.

Ocenilda, Verviers - Bélgica

James Lima disse...

Parabéns, Tadeu. Muito bom o blog e muito boa a idéia de falar da história do nosso rei.

Um abraço

Anônimo disse...

Que história linda! Roberto Carlos Braga é um PATRIMÔNIO internacional!
Abraços,
Leda Martins.